Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

... e 'mái nada!

... e 'mái nada!

Ora vamos lá ver isto do lado do consumidor... (não só mas também...)

Já aqui disse, a propósito de diversos assuntos, que a unanimidade me faz urticária. Ora se assim é, imaginem os monopólios... com diversidade de oferta, todos nós, consumidores, temos a ganhar (a menos que existam jogos de bastidores e acabemos a saltitar entre a m**da e o ca**lhã*...) Ora penso que está claro que este é o preâmbulo do assunto do dia: a marcha lenta dos taxistas contra a Uber. Vantagens e desvantagens, comparações de preços e afins entre ambos, houve de (...)

Às vezes

Às vezes faço beicinho. Estou assim, sossegada, em silêncio, perdida em pensamentos que se passeiam pela minha mente como se esta fosse um aquário,e quando me apercebo estou de lábios franzidos e olhos tristes. Nem chego a saber bem porquê              ou até sei bem demais e pronto. Estalo os dedos, sacudo-me, mãos nos ombros e às vezes resulta.              Outras não. Outras enrosco-me em posição fetal e fico a fazer força, olhos bem fechados, a desejar com (...)

48 é mesmo só um número. Quem discorda que me esclareça.

Foi há dois meses e uns pozinhos, que atingi esse número de anos de vida. Adoro fazer e somar anos, e quarenta e oito vem depois do 47, e é assim que o vi, mais um. Mas há dois meses que a minha resposta à pergunta 'quantos anos tem' me tem feito espécie. O que é uma mulher de 48 anos? Existem características definidas (...)

Cancro

Finais de junho. O dermatologista encosta o aparelhómetro ao dito cujo, apoia o olho do outro lado e diz-me: é um cancro. Ainda bem que veio mostrar. É um cancro (a segunda, foi pela minha falta de reação). E continuou mas não se assuste (coisa que eu não estava, e que deixou o senhor doutor mais à vontade), este não a mata, nunca matou ninguém. Não faz metastases, é só retirar e pronto. Conversámos mais um bocadinho, e depois entregou-me um papel, agora vai marcar uma (...)

Fora de serviço - volte amanhã, ou isso...

  Aqueles sinais que se penduram nas maçanetas das portas, filhos, netos dos "Do Not Disturb" sabem? E que agora dizem o que calha. Não. Um sinal em neon, pisca-pisca em cores berrantes, menos Las Vegas e mais Route 66, motel de beira da estrada '(no)vacancy' num curto circuito sonoro. Isso. Hoje este blogue tem isso aos meus olhos, e a (...)

Dia a dia e coiso e tal

De há uns tempos para cá os meus dias perdem-se entre a escrita (sim, já ando a escrever 'a sério') e as mileumacoisas que faço todos os dias, e de que nem me apercebo bem. Ou não apercebia. Talvez eu faça uma gestão de tempo mediocre, até dou isso 'de barato'. Mas vou levar o pikeno à escola pelo menos uma vez por dia, e daí passo a manhã OU de volta do 'acorda, anda', OU levo-o e aproveito a viagem, para ir ao hipermercado, e às vezes, parar para tomar um café num local (...)

Mais uma volta, mais uma corrida...

Isto para escrever não anda bom. As coisas (i.e. a minha vida e o que faz parte dela) andam num sentido um bocadinho inverso ao dos ponteiros do relógio, para não dizer que andam a inverter o seu curso natural e positivo a 180º. E é difícil chegar aqui e pôr-me a escrever sobre cinema, livros, programas de televisão, notícias sérias, disparates cor-de-rosa ou quejandos, quando o meu environment parece um tigre assanhado a confundir-me com uma zebra.  Sério que é difícil. As (...)

Vamos brincar ao faz de conta?

Estavam com medo que eu me tivesse perdido na fibra (pois, que cabo, já era) e que não me voltassem a pôr a vista em cima? Hélas, não têm essa sorte (muahahahahahahah...) Pois que tenho andado num reboliço de alegrias e tristezas, progressos e desgraceiras, e tudo e tudo - como, aliás, de uma maneira ou outra, todos os que por aqui vão passando. Penso em escrever, pois penso, mas se há alturas em que a luz laranja pisca (write with caution), têm sido mais frequentes aquelas (...)

Dizer o quê? Fazer o quê?

Se me tivessem perguntado antes do Natal como é que tinha sido o meu 2014, eu diria que tinha sido um ano bom. Cheínho de porcaria atrás de porcaria a acontecer (mais de que) por sistema, mas mesmo assim, cresci como pessoa, e para melhor - bendita a hora em que comecei a fazer psicoterapia - e por isso o saldo era positivo. Agora façam-me lá essa pergunta hoje, 13 dias depois de começar o ano, 21 dias depois da consoada. Vai, força!  (...)