Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

12
Jan15

Caminhos da Floresta/Into the Woods

Fátima Bento

Não foi o primeiro fime que vi este ano: esse lugar coube ao 'Hobbit, a batalha dos cinco Exércitos', trilogia de que vi (penosamente) o primeiro, de que saltei (alegremente) o segundo, e vi agora o terceiro, de que gostei, apesar de não gostar de Tolkien, e de achar bestialmente sinistro terem pegado n'UM VOLUME e terem-no desdobrado em TRÊS filmes. Como se já não bastasse a outra trilogia, a do 'Senhor dos Anéis'...

Enfim, como já disse, não gosto de Tolkien, nem lendo nem vendo.

E então passemos ao segundo filme de 2015, 'Into The Woods'; ao contrário de tudo o que tenho lido,o filme não é **AQUELA COISA**.

      - E não me venham lembrar que é Disney, que me dão tonturas.

Não compreendo, mesmo, porque raio o estúdio quis adaptar isto... pronto, este musical. Se calhar o mal está em mim, que associo Disney a lollipops, cotton candy, love apples, e coisas fofinhas e docinhas. Penso que o orçamento não deve ter sido muito elevado, pois que me parece que o filme é (p'aí) 80% filmado em green screen. Não viria daí mal ao mundo - A Vida de Pi foi (p'aí) 95% filmado em green screen e não foi por isso que o realizador deixou de ganhor o Óscar, e que o mesmo foi merecido. O caso é que este filme é cenográficamente falando, uma tristeza. Muito escuro e os atores dão voltas e mais voltas sempre na dita floresta que é mesmo, mesmo... escura.

into-the-woods.jpg

O filme vale (praticamente só) pela interpretação de Meryl Streep - que até se estivesse o tempo todo sentada e calada, fá-lo-ia de forma mais-que-perfeita - e pelo vozeirão que educou entre o Mamma Mia e este filme. Bravo!

E depois existem os cinco ou seis melhores minutos do filme: aqueles em que o Johnny Depp aparece e o écran fica subitamente pequeno demais para ele, que transborda por todos os cantos.

johnny_depp_the_wolf_into_the_woods-wide.jpg

De resto... de resto é escuro. Escuro, e pronto.

Está bem, a história não é má, as trocas e baldrocas até são divertidas, e quando fechava os olhos tinha a sensação de estar pela quarta vez numa sala de cinema a ouvir as musicas do Sweeney Todd (que por acaso é o meu filme favorito do Tim Burton - sim eu vi o filme no cinema três vezes: sózinha, com o marido, e com os filhos). Mas isso foi um bónus particular.

De resto neste momento o IMDb está a dar-lhe 6.8/10, o que eu acho ainda um bocadinho alto (eu dei-lhe, no site, um 3 para ajudar a baixar a fasquia); para mim parava no 5/10. 

Não o voltaria a ver, e não fiquei com nenhuma musica no ouvido. Ainda por cima duas horas e uns piquinhos é muito tempo para um filme sombrio e com um cenário quase fixo.

Sem Título.png

4 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D