Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

... e 'mái nada!

... e 'mái nada!

Conforto

Desafio dos lápis de cor, #1 azul marinho

pexels-photo-27494421.jpeg

 

Nunca gostara que olhassem para ela. Fotos para documentos eram um suplicio, queria desesperadamente misturar-se com o neutro pano de fundo. Ficava sempre com cara de poucos  amigos, sem sombra de sorriso, e mesmo não sendo uma pessoa de gargalhada facil, quem a conhecia de perto - mesmo perto! - via-a sorrir e rir apenas de quando em vez. E se poucas vezes o fazia, cicatrizes que a vida lhe deixara impediam-na de sentir uma maior alegria.

 

Começara talvez antes, mas recordava que a primeira vez que sentiu o chão a fugir, fora quando o surto de meningite lhe levara os gémeos, com poucas horas de intervalo. A partir desse momento a vida que conhecia acabou. Passou a viver para a filha mais velha, a quem deu tudo o que podia dar, não importando quão grande os sacrifício. O resultado não poderia ter sido pior, e se teve a felicidade de acompanhar o crescimento dos netos, fê-lo com um peso imenso no peito face ao comportamento violento e incoerente da filha. Manteve-se por perto co-habitando com esta na esperança de, de alguma forma, proteger as crianças... mas debalde, o máximo que pudera fazer foi chorar com estas face às ações da mãe. 

 

O tempo passou alternando entre o veneno destilado e o fel vertido, que repetia a si própria não poder ser real, mesmo quando viu a neta sair de casa expulsa numa veneta enlouquecida, apenas porque sim. 

 

E depois foi a sua vez de encontrar uma qualquer desculpa e fazer o mesmo, incapaz de continuar a privar com a bolha de ódio em que a filha vivia.

 

Afastou as recordações com um gesto de cabeça que o dia não era para tristezas. Passou as mãos na saia para alisar uma ruga imaginária, mãos com 84 anos de rugas e manchas mas ainda tanta força, e aproximou-se da neta. A seu lado, olhou-a com enlevo: vestida de branco era a imagem da felicidade. Enxotou com a mão a imagem de lágrimas a escorrerem naquele rosto, e concentrou-se no brilho dos seus olhos. 

 

A rapariga colocou o braço sobre os ombros do seu vestido azul escuro com carinho, e quando o fotografo lhe disse "olhe para a sua neta, avó", virou o rosto, encarado-a. E naquele momento as comissuras dos seus lábios ergueram-se num sorriso que lhe colocou estrelas no olhar. 

 

E então sentiu que, afinal, tinha valido a pena. 

 

Neste desafio participo eu, a Concha, A 3ª Face, a Maria Araújo, a Peixe Frito, a Imsilva, a Luísa De Sousa, a Maria, a Ana D., a Célia, a Charneca Em Flor,  a Gorduchita, a Miss Lollipop, a Ana Mestre a Ana de Deus, a Cristina Aveiro, e a bii yue.

Todas as quartas feiras e durante 12 semanas publicaremos um texto novo inspirado nas cores dos lápis da caixa que dá nome ao desafio. Acompanha-nos nos blogues de cada uma, ou através da tag "Desafio Caixa de lápis de Cor". Ou então, junta-te a nós ;)

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.