Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

27
Out21

Demais

desafio arte e inspiração - semana #7,

 

pexels-photo-4199730a.jpeg

 

Amor. Ela pensava sempre que era amor, aquele amor que ela transbordava, o tanto que tinha para dar, tanto.

 

Estivera a ser observada toda a noite, no grupo de amigas que comemorava uma promoção. Ele não desviara os olhos dela, e num arroubo de romantismo de pacotilha, enviara-lhe uma taça de espumante, atento que estava ao palavreado que corria entre todas as mulheres jovens naquela mesa. Ela aceitou, agradeceu com um trejeito de cabeça, e simulou um brinde, que ele prontamente mimou.

 

Começara assim. Seguiu-se a aproximação física, os gracejos, a gargalhada inevitável com a cabeça para trás, as pontas do seu cabelo a tocarem a mão que ele tinha pousado nas suas costas. Encontraram temas, paixões em comum. E num ápice estavam na sua casa, uma última bebida, é desta, é desta, ele gosta mesmo de mim, hoje nem estou vestida de forma provocante, a Maria é tão bonita, a Francisca com um (desp)vestido que deixava zero à imaginação, o que queres beber? Whisky, gin, vodka? e a esfuziante Carol, que fazia moribundos virar a cabeça quando passava... mas não, tinha sido sobre si que ele concentrara toda a atenção, e estava ali, ou talvez algo mais suave, um Baylies, um Drambuie?,  no que só podia ser um sinal, ia amá-la e ela ia amá-lo mais de que ele sequer imaginaria, quiçá um licor de café?

 

Sentaram-se no sofá, de bebida na mão, ele pousou a sua na mesa, é desta, vai envolver-me num abraço e dizer que sou especial, e ele invadiu os lábios e boca dela num beijo que não deixou espaço para um abraço, quanto mais para um envolvimento... ela deixou-se ir, ela deixava-se sempre ir, se correspondesse em entusiasmo e paixão, ele ia gostar dela, não ia? Preliminares, ela sabia bem que isso era mito, eles gostavam de ser satisfeitos já, e porque iria ele perder tempo consigo, quando ela queria dar-se, dar-se toda, e que ele aceitasse ser adulado, desejado. 

 

Quando finalmente o cansaço os venceu, veio o abraço, ela deitou a cabeça no seu ombro e enrolou o braço no seu peito, era abraço, não era?, fosse dela ou dele, era abraço! Dentro de horas ele vai acordar, encontrar-me na cozinha a fazer o pequeno almoço, vai rodear a minha cintura, dar-me um beijo no pescoço, e faremos amor ali, desta vez com doçura e calma. Ele dirá que sou especial e que há muito tempo procurava alguém como eu, e depois de um duche rápido vamos sentar-nos, comer as panquecas, beber o sumo de laranja acabado de espremer e o café quentinho. E claro que vai dizer que como é fim de semana vai querer estar comigo, e segunda feira de manhã antes de voltar ao trabalho vai dizer-me que já tem saudades minhas... tenho de ir, princesa. Obrigada por uma noite espetacular, és uma bomba na cama, sabias? E deu-lhe um beijo, um beijo rápido, apanhou as roupas, tomou um duche, será que se me levantar e oferecer uma chávena de café ele vai ficar mais um pouco, ainda que seja só o tempo de o engolir, mas pode haver uma fração de segundo em que pense que me quer, que me quer mesmo, e quando estava mesmo para sair da cama e dirigir-se à cozinha para tirar o café, ele saiu da casa de banho já prontíssmo, qual visão aos seus olhos e ela ainda balbuciou queres um café, que ele declinou, já era tarde. Olha, foste melhor de que imaginava. Depois telefono-te e combinamos qualquer coisa, ok? Ela aquiesceu com um gesto de cabeça, e o seu coração saltou uma batida, ele quer voltar a ver-me, ele gostou de mim o suficiente para me querer voltar a ver, pensou feliz, e só minutos depois de ter ouvido o som da porta fechar se apercebeu que ele não lhe tinha pedido o número.

 

Levantou-se, dirigiu-se ao duche, pôs a correr a água, e colocou-se sob o jato, enquanto sentia o amor que a enchia a cair no fundo da cabine, pelos dedos que, sentia, o pingavam como como cera derretida.

 

Eram 4:38h de um sábado de manhã, inicio de mais um fim de semana vazio, que começava com um murro no estômago e um amargo de boca. Outra vez.

 

No desafio Arte e Inspiração, participam  Ana D.Ana de DeusAna Mestrebii yue, Bruno EverdosaCélia, Charneca Em FlorCristina AveiroImsilvaJoão-Afonso MachadoJosé da XãLuísa De SousaMariaMaria AraújoMiaOlgaPeixe FritoSam ao LuarSetePartidas

 

Para referencia, esta foi a obra que serviu de inspiração ao texto desta semana

573047_poster_l.jpg

O Beijo, Gustav Klimt

 

Amanhã é dia de vos mostrar o quadro que vai servir para chamar as musas para os textos da próxima semana. Não se esqueçam de passar, e debitar o que vos passar pela cabeça, lá nos cometários.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.