Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

... e 'mái nada!

... e 'mái nada!

Dias Perfeitos, Raphael Montes - a minha impressão

Quinta feira passada li na Sábado uma entrevista com Raphael Montes, jovem escritor brasileiro que nos é apresentado como 'the next best thing' na escrita de policiais

(aconselho que procurem a entrevista, eu honestamente já googlei e fiquei praticamente na mesma...)

Bom, mas lida a entrevista, fiquei curiosa. Primeiro porque há muito que não leio escritores brasileiros, e depois porque me estava a apetecer um policial. Acto continuo, no dia seguinte esbarrei com o livro na Fnac. Li o primeiro capitulo na sexta, e acabei o livro no domingo - e acreditem, eu não ando voraz na leitura.

O livro começa devagar, sem nos agarrar pelos colarinhos, mas deixa um je ne sais quoi no ar que nos faz voltar a ele. E com o desenrolar, não nos dá grandes tréguas: não nos cola às páginas, mas exerce uma atração na medida certa de nos fazer tirar umas fatias ao dia e informar a família, vou ler um bocadinho.

É-me difícil expôr uma impressão sobre um livro sem me debruçar sobre o autor, outras obras, e, embora este seja o segundo livro do autor, penso que é o primeiro editado em Portugal, pelo que não tenho hipótese de analisá-lo da forma que gosto de fazer. Só posso mesmo falar desta obra: gostei. 

Não tenho qualquer direito de dizer que falta a Raphael Montes 'um bocadinho assim' para se qualificar como um escritor com maiúscula, porque não conheço a sua escrita o suficiente. Este livro agradou-me na medida que é leve, de acordo com a estação em que entramos, tem uma abordagem original, e, apesar das prometidas reações viscerais ao personagem principal, a verdade é que não as senti. Partimos do principio (isto não é propriamente um spoil, já que é um dado óbvio logo no primeiro ou segundo capítulos), que Teo é um psicopata, o que ele vai confirmando aqui e ali ao longo da narrativa. Mas no final não é tão claro que ele seja de facto um VERDADEIRO psicopata. Tãopouco que não seja.

A última frase do livro, não criando exatamente um final em aberto, deixa-nos a pensar se aquela é uma pequena frincha que se poderá abrir. E talvez nesse momento surja um fino raio de genialidade que ilumine o nome do autor.

Espero os próximos para formar uma opinião mais concisa.

De qualquer forma, aconselho, para os dias quentes que se aproximam.

livro.jpg

 

 

4 comentários

Comentar post