Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

Diz que é uma espécie de balanço do ano que acaba...

31.12.16 | Fátima Bento

2016 foi um grande ano.

Perdão, um GRANDE ano - e não me refiro ao um segundo extra que vai ter, nem falo do mundo.

 

Falo do meu mundo.

 

Se pudéssemos fazer uma retrospetiva visual em fast forward, acreditem que iam rir com a minha avaliação e achar que não bato bem da bola... levei porrada de meia noite, de tantos lados diferentes - e tantas vezes ao mesmo tempo... não consegui fazer coisas que me propunha nem num registo de curto prazo, porque quando eu pensava: ok, boa, uma recta!- aparecia, não sei de onde uma curva fechada, ou se tinha a certeza que ia numa via de sentido único, apareciam-me veículos em contra-mão. Se eu esperava um zig, ah, mas é que vinha mesmo um zag, que o senhor Murphy sabe-a toda.

 

Mas cresci a cada empurrão, cabeçada, pontapé. Fecho o ano mais gente, mais pessoa. Mais crescida.

 

  • Arrumei: guardei com o cuidado que se dedica às peças delicadas, quem tinha ganho o seu lugar, se não em linha recta, pois que com as curvas necessárias. 

 

  • Expus em locais tão especiais que só eu conheço,os sentimentos bons que me ofereceram ao longo do ano,o amor que recebi e não tive medo/pudor em aceitar.

 

  • Deitei fora, afastei, risquei presenças tóxicas, situações desgastantes que não só me faziam mal a mim como não davam prazer a ninguém (ou assim parece); e eu a pisar-me! - sim que não são os outros que nos pisam; a maior parte das vezes somos nós que ou nos pisamos, ou nos deitamos no chão para que nos pisem, o que no fundo vai dar no mesmo.

 

  • Aceitei-me. Aceitei que tenho pontos fortes, e outros. Nesse processo consegui finalmente acreditar que mereço ser amada. E que não tenho que me proteger disso, o que acabava por me impedir de ser fiel ao que sinto e me incapacitava de o mostrar.

 

  • Fiz amigos novos: aqui na blogosfera, pessoas que passaram a fazer parte da minha vida de todos os dias, no Facebook estreitei um ou dois laços, e em carne e osso, ganhei um grupo supe, hper, mega.

 

  • Passeei, namorei, tive momentos que não vou esquecer.

 

Os melhores presentes que recebi ao longo do ano foram um post-it no aniversário de casamento, uma frase quando saímos do cinema depois de vermos 'Passengers', e um telefonema no dia 24 de dezembro.

 

Difícil, muito difícil é escolher UM momento do ano...

2016.jpg

 

  • a lua de mel em Londres, em que conhecemos aquele que daqui a um ano já é o marido da nossa pikena;
  • as nossas férias de Verão no fim do mundo civilizado, como disse o Erwig quando chegámos
  • Aquele concerto no CCB com o John Pizzarelli com direito a foto e autógrafo.  
  • As férias de dezembro a dois, em casa ou na rua, mas quase sempre juntinhos, os serões a ver séries ou filmes de braços enroscados e cabeça no ombro.
  • O nosso Natal, desde o dia tradicional que dedicamos a ver as luzes na capital, até aos 24 e 25 de Dezembro.

 

Grata estou pelas minhas duas meninas de quatro patas, pelos meus dois rebentos que de uma ou outra maneira, lá se vão organizando para ter um futuro o mais risonho possível e para se aguentarem nas duas pernas, firmes.

Grata estou também, E sobretudo por ter ao meu lado a melhor pessoa do mundo e arredores para aqui estar.

 

E, TENHO A CERTEZA, 2017 vai ser ainda melhor!

 

Feliz ano novo para todos  e que todos os vossos sonhos se realizem - a direito ou com curvas e contra curvas, mas que cheguem lá!

 

 

4 comentários

Comentar post