Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

28
Dez17

O melhor filme que vi em 2017

Fátima Bento

Este ano vi mesmo muitos filmes, o que é bom... e menos bom.

 

O bom é que todos os filmes que vemos nos enriquecem. O mal é que entre os que vi em cinema (pelo menos uma vez por semana) e os vistos em streaming ultrapassei 150 vistos nos últimos 365 dias (não, não estou a exagerar) o que faz com que não me lembre, assim lembrar mesmo, de mais de 20%, e se calhar já estou a forçar um nadinha...

 

Por isso quando o sapo me perguntou qual foi o melhor filme que viste em 2017, balancei um bocadinho sobre a forma que usaria para descrever o melhor do ano. E optei por começar destacando três filmes:

 

Blade Runner 2049

 

O filme que me fez tremer nas bases, e que me levou ao cinema um bocadinho agoniada, por medo daquilo que (tinha a certeza de que não) ia encontrar. Ledo engano. O filme está tão perfeito quanto possível, e tenciono voltar a vê-lo.

 

La la land

 

Que se lixem os que não gostam de musicais, os que acham que o filme falhou na pretensa homenagem aos gloriosos anos 40/50 de Hollywood, que se lixem os que acharam o filme lamechas: eu gostei. Gostei muito. E não preciso de encontrar razões para isso. Ponto.

 

A man called Ove

 

Foi candidato ao óscar de melhor filme estrangeiro (e ao de melhor caracterização), e vi-o logo depois de ler o livro. Está fidelíssimo e é a maior das ternuras. Chegou ao nosso país quase com dois anos de atraso, mas isso não interessa nada. Ganhou uma posição segura e confortável cá dentro.

 

E se tivesse de escolher um destes três filmes para filme do ano, seria o primeiro. Mas não o vou fazer.

 

E por isso, esqueçam o que escrevi atrás.

 

Agora imaginem-se na Borgonha, numa quinta vinícola que três filhos acabam de herdar. Não falta aquele que achava que o pai não gostava dele e era demasiado exigente e tirano, uma rapariga - que por ser rapariga não seria a primeira escolha do pai para continuar o negócio, e o filho mais novo, casado com a filha de um magnata do vinho da região pretensioso até à medula. 

Não falta nenhum destes lugares comuns, e no entanto, o filme é tão mais que isto!

É uma viagem à infância, polvilhado de flash backs curtos e deliciosos, sem explicações, perfeitamente dispensáveis; é um perpetuar de pequenas cumplicidades que não se perdem no tempo. É o saber feito de esforço, é a terra que se vive como se a respirassem, lhes corresse nas veias, como se fizesse parte do próprio ser

 

Ce qui nous lie/Aquilo que nos une foi, sem qualquer dúvida, o melhor filme que vi este ano

 

- o que mexeu com os meus cinco sentidos (é obra!) e que vou querer repetir mal o encontre em streaming ou no clube de vídeo.

Tão, mas TÃO BOM!

 

 

cequinouslie.jpg

 

2 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Leituras do momento

1507-1 (1).jpg

 

A-Elizabeth-Desapareceu.jpg

 

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Sigam-me aqui:

bloglovin1.jpg

 

Instagramem-me:

Aqui e agora