Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

26
Set18

O que eu achei d'O desaparecimento de Stephanie Mailer, de Joël Dicker

Fátima Bento

dicker.JPG

 

Eu disse que falaria sobre O Desaparecimento de Stephanie Mailer, um dia destes... pois bem, hoje é o dia.

 

Mas primeiro, tenho mesmo de falar de Joël Dicker. Para mim é mais fácil começar por falar do escritor que do livro - desde que não seja uma primeira obra.

 

Ora Dicker arrebatou-nos com A verdade sobre o caso Harry Quebert: acho que não houve quem não gostasse. A forma de escrita é a mesma, calma, descritiva, como se o autor tivesse todo o tempo do mundo. E depois aquela relação professor/aluno fez-nos mesmo querer andar por ali, aprender mais qualquer coisa.

 

Em O desaparecimento de Stephanie Mailer, Dicker continua a escrever como se tivesse todo o tempo do mundo. Passeia-se pela cidade como se esse fosse o seu papel: passear, observar. E nós, atrás dele, vamos fazendo o mesmo. Andamos cinco quilómetros a pé para ver uma mancha numa qualquer parede, e nem sabemos se tem alguma coisa a ver com a trama principal. News flash: ás vezes não tem.

 

Joël Dicker é um grande ilusionista: faz-nos olhar para onde quer, para depois nos mostrar a mão vazia. Acena-nos - tão discretamente que parece que estamos a chegar lá sozinhos - com um provável suspeito, para logo a seguir nos mostrar um álibi à prova de bala. Entretanto já a nossa atenção está dirigida para outro, e o anticlimax repete-se.

 

Por tudo isto, Dicker é absolutamente brilhante! 

 

No entanto, e quem me segue no Instagram sabe-o, não gostei nada deste livro; setecentas paginas lidas a custo, que quando acabei, deram lugar a um suspiro de alivio. Honestamente não me lembro bem do final... que nem é o mais importante num livro, quando gosto mesmo dele. Lembro-me do que fiz a seguir: corri à Bertrand e fui comprar o último Lars Keplar: se é para ser policial, que o seja!

 

No livro de Dicker fiz uma coisa que NUNCA faço: não li um capítulo. Um capítulo de duas paginas que, já tendo aprendido a decifrar o MO, vi que não tinha qualquer importância: um dialogo da mulher policia com o ex marido, perfeitamente dispensável. Aliás, há tanto de dispensável neste livro, senhores! Aquilo podia ter sido escrito em metade das paginas! Assim torna-se chato e comprido.

 

Está ali, arrumadinho na prateleira, e só não foi para venda porque, de esperançada que estava, carimbei-o antes de o ler...senão, garantidamente, já não estaria aqui.

 

(eu sei que houve mais quem me pedisse que escrevesse a minha impressão, mas neste momento lembro-me claramente de ti... ei-lo, pois!)

11 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mini.JPG

 

Pesquisar

A ler agora

LaIslaPortafda.jpeg

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Sigam-me aqui:

Bloglovin.JPG

 

Instagramem-me:

Aqui e agora