Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

08
Abr21

O que eu li nas últimas semanas

Leituras 2021 - #2

pexels-photo-1524232a.jpeg

 

Toda a minha gente sabe que este ano comecei a ler tarde, nos últimos dias de fevereiro encetei o primeiro, que acabei quatro dias depois, como contei aqui. E depois de O sítio secreto, de Tana French li, pela seguinte ordem,

 

 

e comecei na segunda feira Um Amor na Cornualha, também de Liz Fenwick.

 

O Homem Espelho, que andava a namorar desde que saiu, em novembro, não me desiludiu de todo. É diferente do habitual do casal luso-sueco, é mais gráfico, e fiquei com a ideia de que o final estava decidido quando o livro começou a ser escrito, e o enredo foi construido à volta desse final.

O bom: quando sabemos quem está por detrás do assassínio e demais mortes, ficamos literalmente de queixo caído. Não conheço quem tenha adivinhado quem foi.

O menos bom: acaba por ser a mesma coisa... o desenlace entra um pouco por cunha, ou se preferirem, é metido a pé de cabra. Alguns elos de ligação são explicados de forma pouco convincente, falta ali qualquer coisa (os textos que já escrevi de fim pré decidido em mente, nitidamente custaram a aguentar-se sozinhos. Não sou escritora, mas dá-me ideia que terá acontecido, com este livro dos Kepler, mais ou menos a mesma coisa)...

 

A vegetariana é um livrinho de tamanho, muito diferente do que estamos habituados a ler. Han Kang é coreana, e este livro poderia ter-se "perdido na tradução" - mas não perde. É considerado violento e sensual, embora para mim os adjetivos que o definem sejam pesado, e de uma beleza... diferente.

O bom: é diferente - em bom.

O menos bom: é diferente - e custa-nos um bocadinho a entrar...

 

Os cinco herdeiros é um livro que me deixou extremamente satisfeita. O que gosto mais em Adler é a sua capacidade de descrever de tal forma o cenário que nos sentimos no local. Para além disso, esta verdadeira epopeia de 648 paginas, aguenta-se com a mesma pujança a cada pagina, do inicio ao fim.

O bom: os locais, as histórias (e o tamanho, que gosto mesmo de livros grandes).

O menos bom: assim de cabeça não me ocorre nada. Não é literatura de primeira água, mas gostei mesmo...

 

A casa dos sonhos é mau. Mesmo. Os diálogos praticamente monossilábicos são assim uma coisa inacreditável. Está bem que uma das intervenientes é adolescente, e a segunda, a madrasta desta, mas, vá lá...

O bom: o ambiente, que foi o que me fez levar o livro até ao fim. 

O menos bom: os diálogos. A ausência de uma história que se aguente. Os personagens sem densidade.

 

Desejos de chocolate é Trisha Ashley. Passo a explicar: os livros desta senhora bem espremidos deixam muito pouco ou nada de residual, mas leem-se com um destes prazeres... aqui as personagens têm três dimensões, e lemos o livro de uma ponta a outra numa alegria constante. Não interessa se a história é algo como "ela estava sozinha, a sofrer de um desgosto de amor, conheceu o rapaz, e decidiram casar, fim" (isto é um suponhamos). O que interessa é quem é quem, e que papel cada um representa na vida dos outros - e da cidadezinha.

O bom: tudo. Pronto, está bem, as personagens (todas), o ambiente.

O menos bom: vou pôr a coisa assim: se a autora escrevesse folhetos de publicidade de supermercados, eu era mocinha para os mandar encadernar e pôr na estante. Agora a sério, se há livros que releio com prazer são os desta senhora, por isso é claro que para mim não há aqui nenhum menos bom que se apresente!

 

Do segundo livro de Fenwick, que comecei há três noites atrás, falarei depois. Estou com esperança que seja melhor que o seu primeiro, que referi em cima... mas parece-me que padece do mesmo mal - no entanto, só até ver, parece que não há adolescentes à vista...

 

E, perguntam vocês, se não gostaste do primeiro, foste comprar um segundo porquê? eu conto... comprei os dois ao mesmo tempo. Vendi umas coisas no OLX, e deparei com um anúncio de uma rapariga aqui da minha área de residência que vendia livros, sendo três da Trisha Ashley - e só tinha um deles. Custavam sete euros cada um, e ela tinha também outros títulos, entre eles os dois da Fenwick. Pode ter sido da capa - ela até tinha outros autores, mas a Cornualha é um lugar que imagino belo.

 

E foi assim... comprei os quatro livros por €25. Parece muito para segunda mão - ou pré amados, como lhes prefiro chamar - mas dou o valor por bem empregue...

 

E vocês, contem-me: como têm sido as vossas leituras?

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.