Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

Perder peso sem fazer (realmente) dieta - da fome a serio e da outra

19.06.14 | Fátima Bento

Pois que uma das coisas que nos dizem, nos livros de dietas (um dia destes tiro uma foto com a pilha imensa que fui juntando ao longo dos anos), é ao facto que devemos prestar atenção a se temos mesmo fome, antes de levar o que quer que seja à boca.

Certo.

E temos nós a capacidade de destrinçar entre a fome física e a, digamos, emocional? Mais, lá porque sabemos a diferença, isso vai alterar alguma coisa?

Existem muitos casos em que é recomendado que um psicólogo acompanhe o regime alimentar, já que a 'fome emocional' é um peso muito grande. Isto porque, geralmente, a mesma pede alimentos altamente calóricos: para quem tem um 'dente doce', chocolates e guloseimas quejandas; para quem é mais de salgados, alimentos ricos em gordura, como aperitivos, batatas fritas, e afins. Logo, não só se trata de comer, mas de comer alimentos de elevado teor calórico e nutricionalmente nulos, ou quase.

Existem truques para evitar ser surpreendido pela fome-que-não-é-fome: por exemplo,

  • OBRIGUE-SE a andar sempre com uma garrafa* com água atrás de si, esteja ou não em casa. E BEBA, regularmente, pequenos golos. A desidratação faz o corpo entrar em carência e muitas vezes esse vazio confunde-se com fome. 
  • Quando faz uma refeição, sente-se e coma devagar, levando pelo menos 20 minutos, que é o tempo que o estômago leva a comunicar ao cerebro que está saciado. Nada de um sanduíche em pé ao balcão ou, pior, um rissol, um néctar e um café. Sente-se e faça uma pausa. Relaxe.

Ok, dizem vocês, é tudo muito bonito, mas na semaninha do TPM (olhem, comigo são 10 dias :P ), como é que a gente faz para não cair de cabeça num mega saco de gomas açucaradas, ou dar umas braçadas numas piscinas de M&M's... já para não falar nos bolos cheios de creme...

Isso é de facto, difícil de responder. Eu atiro-me à fruta. Se tem de entrar açúcar, mal por mal que não sejam calorias vazias. Iogurte grego ligeiro com o dobro dos mirtilos que coloco habitualmente mais uma colher de farelo de aveia também me sacia. Ou o mesmo iogurte com duas colheres de sopa de müesli e mais uma colher de sultanas para reforçar o doce. 

Mas, digo eu, deixem os iogurtes para durante o dia e a fruta para a noite... e depois há aqueles snacks, como as amêndoas, as nozes, as tâmaras... no Celeiro vendem em embalagens pequenas, de 'uma porção' que podem ir debicando ao longo da noite enquanto vêm a vossa serie preferida na televisão.

E depois remeto-me para o post de boa forma que escrevi antes, nomeadamente para o ponto 3. Se lhe apetece mesmo, avance. MAS aligeire as refeições principais, por forma a que a ingestão de calorias não seja demasiado superior ao habitual.

Tenho, eu, mais um truque, que não sei muito bem qual é a opinião dos nutricionistas a respeito: pastilha elástica. Agora há umas que prometem sabor durante 40 minutos (??) e que ainda não experimentei, mas a ser verdade seria fantástico. Aconselho, no entanto a não abusar, porque o acto de mastigar leva o estômago a assumir que vai receber alimento e começa a segregar os sucos gástricos, que ficam sem ter o que fazer. Diz-se que pode acabar por ser prejudicial para o estômago... mas sem exageros, a coisa vai.

 

* A garrafa com que anda atrás deveria, idealmente conjugar o lado prático e o ecológico. Não convém reutilizar muitas vezes as garrafas em que compramos a água já que o plástico acaba por desenvolver bactérias que tornam a água potencialmente tóxica. Por isso, para as substituir e ser amigo do ambiente existem várias soluções das quais vou mostrar três.

  1. Sigg - garrafa em alumínio com alguma capacidade térmica (mas não espere milagres). De vez em quando deve usar-se uma pastilha descalcificadora (vendem-se no mesmo lugar das garrafas e não são caras, dado que uma embalagem traz um numero razoável)
  2. Blobb - garrafa em plástico que pode ser rigido ou flexivel, sendo que a tampa É o filtro (sendo que pode usar água da torneira tranquilamente). Se comprar uma de um litro (a da foto tem 0,6l), e beber 2 por dia, troque a tampa de 6 em 6 meses (à volta de 10 euros cada tampa)
  3. Brita - garrafa em acrilico, com filtro inserido na tampa. Troque o filtro uma vez por mês, apróximadamente. Esta é a única das três que não viramos para beber - tem um bocal, e uma palhinha inserida, pelo que é puxar... não me dá jeito nenhum no ginásio, para aí prefiro as bobble, mas de resto esta é a minha preferida. Tenho duas, para uma estar sempre fresca :) os filtros custam à volta de 8 euros e penso que cada embalagem traz 6 (ainda não comprei,as minhas traziam quatro de oferta cada, por isso não sei exatamente o preço e a quantidade).

2 comentários

Comentar post