Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

... e 'mái nada!

... e 'mái nada!

RESPEITO...

Há pouco tempo li, no blogue mais lido deste cantinho à beira mar plantado, um post que me deixou a pensar.

Falava-se de uma mulher perto dos 40 que se tinha acabado de divorciar e lamentava à amiga porque diabo não tinha esperado encontrar alguém suitable antes de "sair do casamento", já que no atual contexto, era por demais difícil encontrar alguém que se interessasse nela.

 

Porque quem está separado há 6 meses e não está com ninguém é porque existe algo de errado com ela/e.

 

O exemplo dado era que sair de um casamento seria como trocar de emprego: só se larga o que se tem quando existe outro debaixo de olho, praticamente garantido.

 

É pá, porra.

 

Eu tenho uma mente super aberta a todos os argumentos que possam apresentar a respeito de tudo e mais um par de botas, mas isto é ABSOLUTAMENTE ABSURDO!

 

Eu não concebo o calculismo envolvido na ideia. Estamos a falar de uma relação que tendo durado mais ou menos tempo, só aconteceu porque duas pessoas se amaram (pelo menos na maioria dos casos), e da qual têm memórias boas. 

Seguindo a ideia sugerida, faz-se como? Ah, e tal, isto arrefeceu, e pronto, vou ligar o radar e começar a avaliar eventuais pretendentes. E depois, quando encontrar o certo, vou-me sentar com o Miguel e dizer-lhe que já não dá, e que é melhor separar-mo-nos... é assim?

 

Onde é que fica o respeito? Pela pessoa com quem se esteve casada/o, pela pessoa nova, e principalmente, por si?

 

1200px-Shorncliffe_Pier_2012 (1).JPG

 

Não entendo. Juro que não entendo esta forma de pensar. 

Se dá, dá, se não dá, não dá. Mas no que me diz respeito, existem muitas mais facetas na nossa vida para planearmos e controlarmos!

 

E vocês, digam-me, isto é mesmo díspar, ou sou eu que estou a exagerar?

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Fátima Bento

    27.07.17

    Entendo o que dizes, mas ainda assim me custa compreender este tipo de pensamento. 


    Caramba, tenho 49, e aos 20 vivia sozinha! Casei aos 25... esta geração (que pelos vistos não está assim tão distante da minha em termos etários) sente a necessidade de estar atrelada por que cargas de água? Já não existe 'brio' em conseguir estar sozinha E de cabeça levantada? Já não se existe a menos que haja parceiro na história?


    Somos só uma parcela de um qualquer todo?


    Que coisa!!!!!
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.