Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

"Se Deus existe, terá de implorar o meu perdão"

26.05.14 | Fátima Bento

Pois que no sábado quando me deitei - e apesar de ter levado um bom bocado do dia 'naquilo' - agarrei-me ao 'Os monstros também amam' (de que jáfalei aqui), com o firme e alienável propósito de o acabar.

E acabei.

O livro é, se o tiver de definir numa palavra, um pedregulho. Foi a expressão que me ocorreu mal o pousei, com os óculos em cima, e apaguei a luz da cabeceira. 

Um pedregulho.

Não há nada para spoilar do livro: é passado no sul de Espanha, onde logo no inicio se descobre viver uma comunidade de velhos nazis a quem Franco ofereceu moradias e um secreto asilo.

Em meio a isto tudo, um velho caçador de nazis judeu, que esteve no campo de concentração de Mauthausen, e uma jovem grávida que se encontra de férias e por coincidência se vê envolvida neste mundo paralelo.

Até hoje não foram muitos (foram aliás pouquíssimos) os livros que me puxaram para dentro e me deixaram a espernear para não sair. Livros que me imploraram que lhes pegasse e continuasse no virar de paginas mesmo quando envolvida noutras tarefas. 

"Os monstros também amam" em meia dúzia de horas tornou-se quase uma obsessão. Sábado fui ao café, levei-o e estive uma hora a ler, enquanto comi um pastel de nata e bebi dois cafés. Saí do café e, ala, vou ler de frente para o rio mais uma hora. E só parei porque, bolas, tinha de vir para casa, não tardava muito e o meu 'sous-chef' chegava para nos dedicarmos ao jantar. Cheguei a casa, sentei-me no sofá e puxei do livro. O homem chegou e eu 'caramba que não consigo largar isto!'.

Larguei. Fiz o jantar, jantámos, vimos a final da Champions e eu a olhar pelo cantinho do olho para o volume ao meu lado e a repetir o mantra 'quem manda sou eu'. E mal me deitei, pronto, fui até ao fim.

Como já disse, foram muito poucos os livros que me agarraram desta maneira. Vai para o top dos mais especiais, mesmo com todo o peso que (não nos apercebemos de uma vez) tem, mas que se vai acumulando e no final... no final só me ocorreu a palavra que mencionei. 

Pedregulho.

Obrigatório.