Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

... e 'mái nada!

... e 'mái nada!

Já estão a caminho

- e já não era sem tempo!

  E finalmente os livros do passatempo 7 anos de 'Porque eu Posso' estão no correio!   Foi um parto difícil... primeiro foram os envelopes: não consegui encontrar acolchoados em lado nenhum - e de correio verde, só havia três... os CTT daqui são um atrofio, mas acabei por ter de recorrer a eles. Depois esperei pelas moradas, e tendo ontem recebido a última, hoje, arranjei tudo, fotografei e depois descobri que dois dos livros não cabiam nos envelopes - e eu nem papel craft (...)

Porque eu pude

7 anos de porque eu posso

  Eu tinha 22 anos e, confesso, a vida pesava-me. Vivia sozinha há um pouco mais de dois anos, e sentia-me só por dentro - a depressão de que sofria há já dez anos não me largava, a minha mãe tinha cortado relações comigo há tanto tempo quanto estava só, e emocionalmente estava um caco. Tinha tido um fulgurante amor de Verão, com um agosto em cheio, que como grande parte dos amores de Verão não sobreviveu à mudança de estação - embora eu estivesse empenhadíssima e (...)

Porque eu Posso #16 - Texto da Ana de Deus

7 anos de porque eu posso

  "quando sai da casa onde cresci, fui sozinha construir a minha vida a trezentos quilómetros de distância. tinha vinte e seis anos. senti uma certeza inabalável de que era o passo certo e nunca a questionei. a minha mente estava serena. continuo segura de que tudo tinha de acontecer como aconteceu. estou infinitamente grata por tudo. mesmo pela minha desordem esquizoafectiva se ter revelado quando eu tinha trinta e oito anos. eu acredito que a Vida cuida sempre. acredito, por (...)

Porque eu Posso #15 -Texto da Rita Pinto

7 anos de porque eu posso

  "No verão de 2017 e antes de entrar no mercado laboral percebi que tinha que fazer algo para sentir um pouco o meu contributo para um mundo melhor.   Comecei a pesquisar em organizações, sites, missões... e surgiu a oportunidade! Grécia foi o destino escolhido!   A 1 de julho de 2017 aterrei em Atenas num campo de refugiados sírios de várias idades! Impossível descrever a experiência vivida, as histórias de vida, os momentos partilhados. Bebés, crianças, jovens adultos (...)

Porque eu Posso #14 -Texto da Charneca em Flor

7 anos de porque eu posso

(foto by  Charneca em Flor) "No Verão de 2006 fiz algo pela primeira vez e, pensando bem, foi a única vez que realizei tal feito. O mês de Julho chegou trazendo o meu aniversário e as minhas férias de Verão. Lembro-me que decorria o Campeonato Mundial de Futebol na Alemanha. Naquela altura estava, mais uma vez, separada daquele que, no ano seguinte, se tornaria no meu ex-marido. A minha mãe não podia tirar férias e não havia nenhuma amiga disponível para ir de férias comigo. (...)

Porque eu Posso #13 - Texto da Isabel

7 anos de porque eu posso

  "Eu quero, mas não posso ou será que posso, mas não quero.   Quando se é de uma geração e de um sítio pequeno, quando só se saía de casa para casar, muita coisa ficou por fazer e viver.   Coisas que hoje são dados adquiridos das novas gerações, mas não na minha. Houve realmente quem o fizesse, mas era uma minoria nem sempre bem vista. Se o poderia ter feito? sim, poderia, mas faltou incentivo e provas de que havia vida fora dali.   Fiz o que quis, casei porque quis, (...)

Porque eu Posso #12 - Texto da Bii Yue

7 anos de porque eu posso

  "O que é que fizeste na vida partindo da premissa porque eu posso? Existem duas respostas, a simples e a mais profunda.  Com a resposta simples, aproveitar o melhor que soube do que o sistema nos propõe, desde que o ser humano toma consciência que tem livre arbítrio. Viver intensamente com as emoções enquanto criança e adolescente, divertir-me, errar, remediar, aprender, perceber...   Ter tomado a decisão de ir para a universidade. Na altura do mestrado ter (...)

Porque eu Posso #11 - Texto da Helena Isabel

Giveaway dos 7 anos do blogue

  "Não é fácil recordar com exactidão aquilo que me empoderou. Sinto-me vogar ao sabor dos acontecimentos, sem propriamente me afirmar. Sou naturalmente passiva, ainda que nem sempre me orgulhe de tal. Porém, posso ressalvar uma ou duas situações em que não duvidei do meu «poder».    Sempre fui tímida, introvertida até, mas boa aluna. No que tocava a apresentações, estas causavam-me uma dificuldade imensa em lidar com a ansiedade e uma frustração cíclica. Cheguei a (...)