Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

27
Ago15

Tanto onde havia tão pouco

Fátima Bento

Quando eu era muito pequenina (juro, tipo dois anos, três), e andava tipo bonequinha com a mãe, vestidinho rodado, curtinho, totós e laçarotes de seda nos mesmos, soquetes rendadas e sapatinhos de furinhos (a que chamavam sandálias), íamos muito ao Chiado. Descíamos a Rua Garret e invariavelmente entrávamos nos Grandes Armazéns do Chiado, em cuja entrada principal - hoje entrada do centro comercial - havia um reposteiro de veludo imenso, daquele grenat-pano-de-palco, e um porteiro fardado. E no Natal, obrigatoriamente íamos ver as montras dos Grandes Armazéns, em que ficava deslumbrada com os bonecos animados eletricamente por magia.

E desciamos à baixa, que nessa altura era cheia de gente, lanchávamos na Pastelaria Suissa, e percorriamos a rua Augusta, até à Casa Africana.

(depois o porteiro do Chiado desapareceu, o tempo foi passando e os Grandes Armazéns foram vendidos a um grupo de fancaria que lhe retirou todo o já pouco fausto, e o reduziu a uma coisa inominável).

Bom, andava eu a tirar o curso de design, quando o Chiado ardeu. Ainda hoje sinto um frio na barriga quando me lembro. Tive de ganhar coragem umas boas semanas antes de subir o elevador de Santa Justa e de ver lá de cima o que parecia o cenário de um bombardeamento.

Verdade ou consequência, a baixa murchou e depois morreu. As pessoas passaram a ir apenas aos centros comerciais, e nem paravam ali. Depois de escurecer era desaconselhado fazê-lo pela criminalidade associada à zona.

Entretanto, em 2015 foi o boom que já vinha a ser preparado: a baixa pulsa, palpita, pulula de gente - que não fala português, mas que vai enchendo os cofres do comercio local, que esteve há tão pouco tempo em vias de extinção, e os cofres do Estado, o que (pelo menos em teoria) ajuda o país a segurar-se nas pernas, depois da quase-banca-rota - risco de que ainda não saímos, digam lá o que disserem. Estamos mais longe, sem dúvida, mas um abanão na Europa e somos o elo mais fraco, adeus.

Eu gosto. Gosto de ver Lisboa tão vibrante de gente interessada, de máquina em riste a fotografar tudo, de ouvir três ou quatro línguas diferentes quando me sento numa esplanada, de responder a pedidos de direção em inglês (toooda a minha gente fala inglês, independentemente do país de origem).

Gosto.

Certo, o lixo - reforcem as equipas de limpeza -  e, pior o barulho à noite, são o outro lado da moeda.

Mas, senhores, eu lembro-me da baixa fantasma, e olho HOJE para baixa mais viva de sempre.

Turistas? Welcome, Bienvenues, Willkommen, Bienvenidos, Benvenuti (e por aí adiante).

welcome.jpg

Bacci 

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

...porque outubro é quando quisermos...

mini.JPG

 

Pesquisar

A ler agora

kinsella.png

 

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Sigam-me aqui:

Bloglovin.JPG

 

Instagramem-me:

Aqui e agora