Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

... e 'mái nada!

... e 'mái nada!

Eu não existo #345 733

  Fui há pouco ao post de abastecimento. Disse o que queria, bomba quatro, gasolina, etc. de enfiada, e a mocinha ficou branca como uma folha de papel liso. E repetiu?    ... e quer mil euros???   E eu, de olhos esbugalhados: eu disse isso? Ela só agitou afirmativamente a cabeça.   Não, disparate, trinta! Estava a ler o titulo daquele livro (Eu mileurista me confesso) e baralhei os fusíveis!...   Claro que tive de repetir tudo, o número da bomba e o tipo de combustivel.   Ist (...)

Há dias assim

... e depois nós permiti-mo-nos desabar sob o peso das coisas que nos sufocam, prendem os movimentos, embaraçam os pensamentos. E encostamo-nos na almofada e deixamo-nos ir até onde for, para ser possível recomeçar a continuar os dias.    E o cinzento antracite dos dias duros, a exaustão que não foi possível driblar dá tréguas, e o casulo do edredão pesa-nos nos olhos e quando os voltamos a abrir, já não há a angústia pungente, nem o esgotamento que nos rói as canelas.   (...)

Só por hoje

Quero não existir. Quero um pequeno parêntesis. Preciso. Amanhã sou eu outra vez. Mas hoje... hoje deixem-me (não) estar  

Dia levezinho

Ontem tive terapia, coisa que parou com as férias - foram 5 sessões de interregno. Geralmente, por mais leve que esta seja, no dia seguinte estou sempre mais mole, acordo mais tarde... mas hoje estava determinadíssima a ir à praia (depois do fiasco de ontem...), nem que chovessem canivetes abertos, e coiso... deixei o cesto preparado, de manhã era só juntar-lhe a água, pegar nas chaves e dar à sola.   Acordei e pelas frestas do estore parecia cinzento - como parece sempre. Fui (...)

Valhamosantinho...

Todos temos daqueles problemas, maiores ou menores, que se abatem sobre nós qual trovoada e nos tornam os pensamentos barulhentos. E no meio do ruído, acabamos por não conseguir ouvir a resposta às dúvidas mais básicas... esquece-mo-nos até de sentir fome, ou sede (a segunda é a mais comum)... e outras pequenas coisas do mais habitual e costumeiro... Habitualmente levo o Rocinante ao posto de abastecimento, no máximo, a cada duas semanas, e dou-lhe de comer. Isto perfaz o bonito (...)