Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

... e 'mái nada!

... e 'mái nada!

Saúde mental - até quando o parente pobre

Para quando o acesso fácil e gratuito a diagnóstico e acompanhamento clinico de doentes?

  Há poucos dias fui à farmácia comprar os ansiolíticos que tenho sempre para SOS, e que estavam a acabar - os ditos e a validade da prescrição. Só tinham uma caixa (na receita constava duas), e nem era do laboratório que habitualmente trago. "Esgotado", disse quem me atendeu, "só tenho mesmo esta caixa, mais um bocadinho e não tinha nada para si".   Saí, saquinho de papel na mão com a preciosidade dentro a pensar que esta situação só confirma o que lemos e intuímos: (...)

Ou nem por isso

- a sobreviver à depressão, inspira - expira, inspira - expira...

  Esta imagem: é quase assim que me sinto; dava-lhe mais um bafo de ar, colocava o balão dentro de um armário et voilà, perfeito.   Os meus dias são cópias exatas uns dos outros. Levanto-me. Vou à casa de banho, dou de comer aos gatos, espremo o meu meio limão, junto 2dl de água e vou para a sala. Tomo o medicamento da tiroide, ligo a tv e vejo os programas que gravei na véspera.   Uma hora depois, mais coisa menos coisa, faço o meu pequeno almoço, que é tomado (...)

A ver se é desta, devagarinho

  Isto estar muito deprimida durante algum tempo (tipo desde finais de novembro, que os outros 39 anos não são para aqui chamados), deixou-me num limbo de #querolásaber. E esse quero lá saber resultou numas raízes no cabelo que nem vos conto, e penugem (isto é um eufemismo...) sobre o lábio superior... mas as pernas... ai senhores as pernas!!!!!    Ontem no duche, atirei-me à Vénus (sim, que se eu metesse aqui a silk epil, era o fim do mundo...) E se nessa altura as minhas (...)

Aquelas alturas em que nos acontece tudo

  Tenho estado, como disse antes, soterrada por chatices e problemas de saúde. Mesmo mesmo à beirinha do burn out. No inicio do mês, estilhacei-me. Peguei nos pedaços, e fiz-me à estrada: tirei uns dias para recuperar, num espaço onde há bastante tempo queria ir. Infelizmente, foi pouco tempo, mas vim de lá mais inteira, a grande maioria dos pedaços colados, e tudo e tudo.   Nas o meu sistema imunitário mandou-me dar uma curva, e neste momento apanho muita coisa. Estou a ser (...)

(Nem tudo) São rosas, senhor!

Ando desaparecida, e penso que a explicação lógica seja está de férias.    Pois que não, tenho estado com uma valente crise depressiva; 2018 tem sido muito difícil em tantas vertentes, e este ano nem nas férias conseguimos relaxar - os dois, não fui só eu! Voltámos mais cedo, e com o arrastar dos dias dei comigo no fundo do poço.   Pois sim que já o conheço bem, e sei que o caminho é só para cima - no entanto há aquela vontade masoquista (ou de auto preservação?), (...)

Disto de viver com depressão

Não tenho ido ao ginásio; estou a atravessar uma crise depressiva, que ando a ver se corro à vassourada, mas ainda não ultrapassei, e não tenho tido vontade de ir a lado nenhum... por mim passava os dias inteiros a ler, ver Netflix e jogar Farmville. Intervaladamente.   Não sei quantos de vocês sabem, mas a depressão entrou na minha vida, oficialmente, quando tinha 12 anos, altura em que foi registado o meu primeiro episódio de depressão major... e até hoje, alapou-se a mim, e (...)

Como é que se lida com isto?

  Há sete anos atrás escrevi no Diário de uma dona de casa 2.0 sobre um exercício que a Professora Helena Marujo - que leciona Psicologia Positiva na Universidade de Lisboa - fazia, nomeadamente quando as pessoas não conseguiam (assim sem pensar muito) dizer o que as faz feliz, ou pelo menos, quando foi a última vez que se sentiram felizes.   - é incrível a quantidade de pessoas que balbuciam e não sai nada... porque não sabem a primeira, nem se lembram da segunda...   E (...)

Bullying e outras violências

Mesmo agora li nos destaques um post sobre uma das séries do ano (até ao momento), Por 13 razões, que vi quando estreou, de duas penadas, e que mexeu comigo. Pensei em escrever sobre o assunto mas achei que faltaria qualquer coisa, e a mesma pede uma abordagem cuidada... depois entrei em reclusão, e não o fiz.   (...)