Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

07
Ago16

Os meus hábitos de leitura - o que a Maratona Fusão confirmou

Fátima Bento

Caramba que me conheço bem demais. Sei que não gosto de prazos impostos, não gosto de compromissos... e sou de facto uma slow reader.

Mas às vezes aceito reptos que me façam sair fora da caixa... e estampo-me nas curvas.

fusão  fail.jpg

De cinco (temas) propostos, li dois livros. Razões? Oh pá... estive doente = três dias sem ler. E depois li o Memória de elefante numa velocidade maior de que seria habitual, o que me valeu, no dia seguinte à sua finalização (conseguida tarde e a más horas) uma enxaqueca que não me deixava abrir os olhos (António Lobo Antunes exige-me um nível de entrega que me desgasta um pouco). E depois a aproximação das férias, a mente ocupada com as coisas a fazer (não tenho remédio, sou mesmo stressadinha no que diz respeito a viagens, quer sejam de 200 ou 20.000 quilómetros)... ainda comprei um Mia Couto de contos, já que me andam a recomendar o autor há imenso tempo, para trocar os suecos por ele, e tudo...

Decidi então manter A amiga genial (e que vou ler na semana de 15) mais o Fio de Missangas, que condensava dois dos requisitos, ser recomendado e ser um autor que nunca li - sim, vá, batam-me! - desistindo do Eu sou árvore, que SEI precisar de tempo para ser devidamente saboreado. Mas o Fio de Missangas e A amiga genial olham para mim da mesa de centro, a esconderem as gargalhadas, apontando-me o dedo, não conseguiste.

 

Não me surpreendeu. Tentei mas o resultado (a)final era uma forte possibilidade... 

 

Ler é um prazer demasiado grande para andar a correr atrás de prazos. Não tenho dúvidas de que há muito boa gente que lê um livro por dia com facilidade, mas eu tenho de estar dentro do livro para sentir prazer. E entrar num livro leva tempo, pede-me inversões de sentido de marcha e repetições uma e outra vez, do mesmo capítulo, página, parágrafo até descobrir o ritmo certo... é como escolher a banda sonora de um filme, presumo.

 

Por isso, dou os parabéns a quem conseguiu cortar a meta com as cinco alíneas satisfeitas, e garanto que vou ler todinhos e mais alguns, mas ao meu ritmo, e no meu tempo.

 

Depois conto como foi.

 

Agora vou espreitar as minhas companheiras de estrada...

02
Ago16

Memória de elefante, António Lobo Antunes.

Fátima Bento

Ui, escrever sobre ALA é um risco; para mim e para os outros. Para mim porque me perco, para os outros porque ficam nauseados da admiração que transborda em qualquer texto que escrevo com alusão ao autor.

 

Escritor com E grande.

 

A ver se consigo cingir-me ao essencial sem pegar nas palavras do seu primeiro livro,

 

 

os meus livros não são autobiográficos. Não escrevo sobre mim nos meus livros pois não Piedade*? Não... bem, escrevi os primeiros, o Memória de Elefante e Os Cus de Judas são autobiográficos, mas foi só. Não escrevo sobre mim nos meus livros...

 

assumidamente autobiográfico e desatar a dissertar sobre o que penso, acho e sinto.

ALA escreve, mais que ao correr da pena, ao correr do pensamento. E se nós começamos por pensar no bolo de chocolate que vamos fazer para o lanche de domingo, e de enfiada, às tantas acabamos a recordar o último dia de praia do verão de 2001, e tudo faz sentido na nossa cabeça, o que é que a escrita do autor tem? que o transforma no 'bicho-papão' dos livros-difíceis-de-ler-e-compreender,

 

 

Os meus livros não são difíceis. Acha, que os meus livros são difíceis? Não, não são difíceis...

 

que se compram e deixam na estante, pequeninos que nos sentimos em face a uma obra de tal envergadura, a olhar para a lombada como se temêssemos que ao lhe pegarmos, ele nos engula de um trago.

Isso e se oferecem no Natal, peito cheio de presunção intelectualóide para o pai, o tio, o senhor doutor, o último livro do Lobo Antunes!, porque fica bem - e a Dom Quixote sabe, que escolhe dezembro para lançar o novo, o último, que está nos escaparates dois meses antes, mas assim reacendem-se os ânimos e recorda-se a resposta fácil à prenda difícil.

Quanto ao livro que dá titulo ao post, é o primeiro que ALA escreveu. Ou melhor, publicou, que quando lemos as cartas de Angola que escreveu à mulher, entendemos que escrever, sempre escreveu, mas nada que considerasse suficientemente bom para publicar, e lá estou eu a perder-me nas curvas outra vez, dizia então que é o primeiro livro que escreveu - e eu ainda não tinha lido, apesar de o ter recomendado a não sei quantas pessoas que me diziam o habitual, que-ALA-é-difícil-por-isso-só leio-as-crónicas, então começa pelo inicio, nem tentes agarrar num dos últimos, que é mergulhar de cabeça sem conhecer o rio e a profundidade do mesmo.

 

As pessoas dizem que a minha escrita é difícil de entender porque pegam no livro e querem entendê-lo usando a SUA chave; ora cada livro tem a sua própria chave, e temos 'de nos deixar ir' até a encontrar...

1507-1 (2).jpg

 

 

Memória de Elefante dá-nos uma chave para o estilo de escrita/leitura das obras de ALA: seguimos a linha de pensamento do narrador, com as suas subidas, descidas, curvas e contracurvas, com memórias em mistura com expetativas... como cada um de nós pensa. Sem UMA forma concreta à laia de sujeito e predicado, mas a perder-se nas pregas da memória, nos arrebites da vontade caprichosa que a mente exige como prerrogativa.

 

Memória de Elefante é o primeiro na prateleira. Outros se lhe seguem, perfilados como soldadinhos de chumbo à espera da troada de carga!! saída dos pulmões de um general em miniatura.

 

E é isto.

 

António Lobo Antunes deixa-me à deriva nas palavras, perdida na ideia que quero passar. Se o livro é bom? Não mo vão perguntar, pois não?

 

Opiniões há que apontam ALA como o menino bem a desmultiplicar-se na arte do palavrão fácil, e que reduzem a sua escrita a um exagero de metáforas alinhavadas entre si por um discurso inútil. Quem advoga tais argumentos, nunca o leu, mesmo que tenha ido da primeira à última página de todos os livros que publicou.

 

ALA não se lê palavra a palavra: sente-se nos espaços.

 

 

Nota de rodapé:

em itálico, parafraseadas, frases de António Lobo Antunes aquando do lançamento de 'Da Natureza dos Deuses', em dezembro último. 

*nome da sua editora, que o acompanhava na mesa, aquando do referido lançamento, e a quem se dirigia como que ancorando-se à presença (re)conhecida numa sala cheia de admiradores desconhecidos.

{e assim passo três horas e meia, a polir o que queria perfeito. Ler ALA faz-me disto...}

23
Jul16

Maratona fusão

Fátima Bento

Fui ver o blogue da Delícia de Amêndoa, e achei giro participar no desafio. As regras estão aqui, 

         « A maratona vai começar na segunda-feira (dia 25) e termina no domingo ( dia 7) vai durar 2 semanas e [tem] 5 temas, os quais são:

  1. ler um livro que tenhas na tua estante há mais de um ano
  2. ler um livro escrito por uma mulher
  3. ler um livro de um autor novo
  4. ler um livro com menos de 200 paginas
  5. ler um livro recomendado por outra pessoa »

Então aqui estão as minhas escolhas:

 

     1. O ladrão de sombras, Marc Levy; (pois. UM DOS que estão cá em casa há mais de um ano...)

     2. A amiga genial, Elena Ferrante (Vol1); (nas bocas do mundo; há alguém que ainda não tenha começado?)

     3. Eu sou a árvore, Possidónio Cachapa; (a ver se me rendo, toda a gente diz maravilhas deste livro...)

     4. Memória de Elefante, António Lobo Antunes (esta categoria é de loucos!);

     5. As instruções da Pitonisa, Erik Axl Sund (último volume da trilogia, recomendada pela Lénia).

fusão.jpg

A ordem não vai ser a apresentada: o livro de Elena Ferrante vai ser o último dos cinco - vou de férias a 8 e posso querer continuar a quadrilogia. Começo ou com O ladrão de sombras ou com As Instruções da Pitonisa. A trilogia sueca está a custar a ser encerrada, os dois primeiros volumes deixaram-me exausta. Quem já leu poderá compreender porquê - ou não...

 

À medida que for lendo vou falando deles aqui.

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

...porque outubro é quando quisermos...

mini.JPG

 

Pesquisar

A ler agora

nobody.png

 

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Sigam-me aqui:

Bloglovin.JPG

 

Instagramem-me:

Aqui e agora