Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

31
Mai19

Escapadinha à Ericeira, 2ª parte

Fátima Bento

IMG_20190228_084204.jpg

 

(Continuando...)

 

Acordei à hora de jantar, depois li, vi um nadinha de televisão - meio episódio de Father Brown - liguei o ar condicionado no frio durante 10 minutos (gosto de dormir em quartos frios), desliguei-o, enrosquei-me e voltei a adormecer.

 

Na manhã seguinte levantei-me e desci ao restaurante para o pequeno almoço - que está ilustrado na foto acima, onde só faltam os crepes com chocolate (que fui buscar depois). Miamm...

 

Duas coisas:

o café, tipo americano, que detesto por principio, era fa-bu-lo-so. Eu, a mulher dos expressos, repeti, duas chávenas cheias.

a vista. A gente perde-se com o olhar no exterior.

 

E depois fui até lá fora, onde meia dúzia de pessoas aproveitava o sol, e observava os surfistas.

Sentei-me um pouco e fiz o mesmo.

 

IMG_20190228_090028.jpg

(aqui não está ninguém porque esta foto foi tirada na manhã seguinte antes das nove, e ainda estava tudo molhado da noite - que o mar aqui galga tudo... mas foi aqui que me  sentei)

 

Entretanto lá me decidi a subir ao quarto e vesti o fato de banho, umas calças de ioga e uma t-shirt, e desci para a área saúde. Não levei toalha (devia, mas ninguém mo dissera) e a técnica do spa emprestou-me uma. E foi até à uma e meia: jacuzzi, banho turco, duche, jacuzzi, repete....

 

Depois tomei mais um banho de imersão no quarto, vesti-me e fui comer qualquer coisa, que o que não falta naquela terra são lugares onde comer - apesar de no final de fevereiro funcionar aí a 30%. Ainda passei no Continente (naquela terra tudo é pertinho) e fui comprar garrafas de água de meio litro - as do hotel, que tinha consumido na véspera quase à maluca, custavam €3,00 cada, e eu sou menina de 2 l por dia... por isso, resolvi levar umas quantas na mochila quando regressei ao quarto.

 

Entretanto tinha marcado uma massagem ombros, pescoço, rosto e cabeça, e às 18h lá estava eu. Foi fantástico! Ela desfez-me os "nós" de tensão que tinha nos ombros (de tal maneira que no dia seguinte os jatos do jacuzzi até me faziam gemer), e deixou-me tããão relaxada como não me sentia há séculos!

Terminámos com um chazinho, que é sempre o ponto final ideal.

 

Mais tarde, quando recolhi ao quarto, foi uma daquelas noites em que dormi como um bebé!

 

Leia também:

Escapadinha à Ericeira # 1

Escapadinha à Ericeira #3

 

19
Set16

Das melhores férias de que tenho memória

Fátima Bento

Ainda não contei praticamente nada sobre as FÉRIAS

- que merecem mesmo as maiúsculas quase todas do alfabeto -

deste ano

- só não merecem mais porque foram estupidamente curtas...

 

Bom, quando chegámos à quinta, constatámos que não tínhamos rede para o telemóvel - ali só MEO - internet, ficava no risquinho único, pelo que até dava para ir às redes sociais e dar à língua (o que fiz com os meus filhos), e daria para postar, agora para abrir o que quer que fosse, debalde. Televisão nos quartos, nananinanão, só numa "área comum" que tinha um sofá. Mais nada.

Ora, foi chegar e 'pendurar as botas' tecnológicas, mediáticas, the works.

 

- e foi tão bom, tão bom! 

 

Acompanhei os fogos na Madeira à hora de almoço - íamos à vila almoçar, e o restaurante tinha a tv ligada. Não sendo eu a pessoa da família mais ligada ao pequeno écran, não conseguia despegar os olhos da dita (sem som, como se quer), de tal maneira que o Victor se sentava de costas para a mesma - ele que até é o gajo que mal entra em casa pega no comando e dá-lhe no ON. Mas tirando aqueles mais-ou-menos 30 a 40 minutos diários, não havia (sobre)carga informativa para os meus neurónios; as férias foram mesmo férias.

 

No segundo dia já tinha perdido o tino: nem sabia que dia da semana era, nem há quanto tempo estávamos naquele paraíso. Fundamentalmente os nossos dias eram passados com dois medidores temporais: combinámos com o estalajadeiro que o nosso pequeno almoço seria às 9:30h, pelo que uns trinta minutos antes, se ainda estivesse a dormir, o marido acordava-me. Vestia o caftã por cima do fato de banho e descíamos. Tomávamos o pequeno almoço (fresquíssimo, semi biológico) sob uma pérgola, numa grande mesa de madeira marcada pelo tempo, e havia sempre um gato muito meigo que nos fazia companhia. O gato e vespas.

 

DSC_0084.JPG

 

Depois, subíamos ao quarto, eu pegava no saco onde tinha os protetores e duas revistas, e íamos para a piscina. Quando o calor se tornava insuportável, estava na hora de ir almoçar. Enfiava o vestido de malha de algodão, calçava as sandálias e ala para a vila. Quando regressávamos, repetíamos a indumentária da manhã, e voltávamos para a piscina. O jantar era leve, iogurtes, fruta, bolachas... ainda íamos até às camas de rede, onde bebíamos uma última sidra/cerveja e ficávamos até cansar. Depois, recolhíamos ao quarto, hora do duche e de mimar a pele, e deitávamo-nos. Umas noites líamos outras nem isso.

 

DSC_0079.JPG

 

O Victor adormecia primeiro, eu ficava a ouvir as cigarras, os grilos, as rãs...e o sapo, que vinha saltar para a escada que acedia ao quarto enquanto fazia um croack valente que abafava o coachar das rãs. E lá ao fundo, às vezes, ouvia-se um mocho.

À volta haviam javalis, muitos. Havia um empregado encarregado de lhes deixar sacas de comida de noite, e de manhã não havia uma migalha de sobra... e viamos corvos, milhafres... e haviam umas borboletas coloridas, grandes e lindas que vinham espreitar ao final da tarde, quando as libélulas já se tinham recolhido. E vespas. De manhã, tarde e final da mesma.

 

Nestes dias usei duas mudas de roupa, além do caftã e dos dois fatos de banho - um para de manhã e outro para de tarde. Calcei uns flip flops e umas sandálias rasas. Podia, por isso, ter levado um saco minúsculo com a roupa. Até isso foi um super no brainer

 

Ao correr dos dias perdi vocabulário, perdi até palavras simples, esqueci autores e nomes de livros, tudo. O meu cérebro manteve apenas em funcionamento os serviços mínimos, pelo que, enquanto estive fora, nem UM livro li. Dembulei pelas paginas das quatro revistas que levei comigo, e pouco mais.

 

O embate do regresso foi maior quando me vi de novo em casa. Apesar e ter perdido a conta dos dias, as férias tinham durado menos de uma semana.

 

A fazer? Só esperar - com força - para o ano alargar o tempo fora para dez dias. Nem mais nem menos...

Sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D