Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

... e 'mái nada!

... e 'mái nada!

Disto de ter um blogue - manifesto

  Nesta senda de destralhar coisas que me esgotam, me cansam e não fazem falta, tive também de olhar para este projeto. Há quase catorze anos que escrevo aqui no sapo, e o que me tem feito correr ao longo deste tempo tem mudado. No inicio precisava de ser lida, bem como de sentir que existiam pessoas desse lado - as que liam o que eu ia escrevendo. Foram uns anos pautados pela solidão e pela insegurança gerada pela (...)

4 formas de prolongar o espírito das férias

    Mais uma vez as férias vieram e foram e ficou com aquela nostalgia de que só daqui a um ano é que volta a sentir-se relaxado a valer? Na-na-ni-na-não, há pequenas alterações que pode implementar no seu dia a dia por forma a prolongar o espírito das férias, acredite!   Respeite-se Tente começar o dia de forma tranquila, por forma a atingir o pico da atividade às 10:00h. Faça uma refeição ligeira ao almoço para não se sentir em baixo de forma pouco depois, (...)

Rentrée e cosmética: e facilitar a vida, não?

Este mês comprei as duas revistas portuguesas que decidi continuar a comprar e numa delas surge-me a descrição do ritual  para uma pele perfeita. Como não tenho aqui a revista, vai de memória, tive de a ir buscar...   Mas. ponto prévio, a minha rotina , se a tivera, seria:   Antes de deitar: Aplicar o gel de limpeza na esponja konjac e espalhar com movimentos suaves. No caso de me ter maquilhado, passava a esponja por água tépida e repetiria. Finalizar passando o rosto por (...)

O primeiro dia depois das férias

O primeiro dia de trabalho é uma tortura. Pareço um zombie, duplico ou triplico a minha dose habitual de cafeína e às vezes tenho a certeza absoluta, mas sem qualquer dúvida, que estão a falar comigo num dialeto alienígena, porque não consigo reconhecer uma palavra que seja. Passo a manhã entre a secretária e a máquina de café, na secretária movo o rato e abro um documento; fico a olhar para ele e a martelar nas teclas ao calhas, sem saber muito bem porquê. Abro a caixa (...)