Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

Porque Eu Posso

... e 'mái nada!

25
Set18

Eu fui...

Fátima Bento

cair.jpeg

 

... ao mecânico. 

 

O problema do Rocinante, é que a porta do condutor deixou de abrir com a chave.

Por isso, se um dia destes viram uma caramela a abrir a porta do pendura, a pôr o joelho sobre o banco, a espichar-se através do habitáculo até chegar ao botão que destranca as quatro portas, a sair do carro, fechar a porta, dar a volta ao carro, abrir a outra porta e sentar-se... era eu.

 

Vai daí, lá foi ela ver se descobriam que diacho se passava com a fechadura. Calcei umas sandálias baixinhas (ah, santinha! Cá beijinho!) e lá entreguei o carro ao senhor, que me disse "uma hora". Como tal resolvi ir tomar o pequeno almoço ao sítio do costume, que fica nem muito longe nem muito perto, mas perfeitamente fazível. A meio do caminho lembrei-me que hoje era o dia de descanso daqule café...  segui e fui a outro, ao lado. Para inicio de conversa, a torrada de pão de forma que me serviram estava tão rija que foi um castigo comer aquilo. O sumo de laranja era minúsculo - e paguei o mesmo que no espaço habitual. A meio do pequeno almoço, liga-me o Victor, já que o mecânico não tem o meu número, a dizer que o carro tem de lá ficar pelo menos mais umas horas. Ok, eu vou a pé para casa. digo. Antes, porém, ainda fui ao supermercado buscar duas coisas que precisava e - MUITO IMPORTANTE! - uma garrafa de água.

 

E fiz-me ao caminho mais longo. Passava (bem) do meio dia. Sem apanhar sombras de lá até aqui - cerca de três quilómetros à torreira do sol, coisa pouca (ai se não fora a água...); cheguei a casa, e de tanto sol na moleirinha nem conseguia pensar.

 

Desfaleci (literalmente) em cima da cama e deixei-me estar até arrefecer as ideias - e o corpo...

 

Agora alegadamente poderei receber uma chamada atão venha buscar o carro.

 

Atão irei mas de autocarro - já apanhei calor que chegue, dasse!

 

(se for mais para o fim da tarde, o homem faz de caminho...  assimcumássim o dia já está fechado...)

 

16
Mai16

AQUELE MOMENTO, em que sabem o que deviam ter dito e caramba-porque-é-que-não-disse...

Fátima Bento

Telefona-me o marido por volta da hora de almoço, já saíste de casa? E eu, ainda não, mais logo. Hoje acordei tarde... E ele, então vê se sais e vais aproveitar o solinho, está um dia espetacular! E eu, daqui a pouco, depois de besuntar a fascia com o 50, sol deixa-me sempre mais bem disposta!

Vai daí, à hora do segundo café (que não tem hora, é quando apetece), eis que lá vai ela em direção à esplanada do costume, na sua baía. 

já não me lembrava que aquele Seixal con-ti-nua em obras...

Chegada, Rocinante estacionado, dirijo-me a uma mesa, e sento-me. Sobre a mesa está um copo de cerveja vazio e uma chávena de café suja. Empurro para um canto da mesa, para que não restem dúvidas que não é meu, e sento-me.

45 minutos depois, hora a que já NÃO me apetecia o raio do café - e já toda a gente olhava para mim com cara de estás-à-espera-de-quê? - levanto-me, deixo o telemóvel e a carteira na mesa, e da porta digo, projetando a voz: desculpe é capaz de me levar uma sommersby? É que estou há 45 minutos à espera de que me vão perguntar o que quero...

não pode ser, diz a gaja empregada, onde é que está sentada?

estico o  braço e aponto para a mesa onde está: a loiça suja, a Vanity Fair, o telefone e a bateria portátil, e na cadeira, a carteira.

e desculpe pediu-me o quê?

(arrrghhhhh)

... repeti. 

Voltei para a mesa e pensei, lá vem a desculpa.

POIS QUE DESCULPA FOI COISA QUE NÃO VEIO. Veio a sidra e são €1,50. Esperei o troco e comentei com os meus botões: será que com as moedas vem a desculpa? 

Népia.

Fiquei lá mais um boooom bocado, a beber nas calmas e a ver se aparecia um dos donos, de danada que estava. 

Nada.

Pronto, voltei, passei pelo Lidl para ir buscar pão, e no estacionamento está uma senhora a tirar a viatura do lugar, tudo muito certinho. Eu páro, e o raio dos travões "rangem",  

{o Rocinante está de cirurgia marcada,

ele são pastilhas e discos novos,

e tudo e mais um par de botas. Vai regressar como novo}

mas isto de chamar a atenção de quem está num raio de 50 metros de cada vez que se encosta o pé no pedal anda a tirar-me do sério - e fora do sério já eu estava.

Levei a mão ao rosto refilei meio para dentro, ráspartóstravões, e devo ter feito uma expressão que a pobre senhora meteu a primera e encaixou o carro onde o mesmo estava. Acho que desconfiou que estava a fazer alguma coisa mal...

Não a sério: está um dia bonito, temperatura (mais que) agradável, solinho, e tudo e tudo? É melhor eu ficar em casa. De há uns tempos para cá é mesmo a lei de Murphy.

Caramba!

P.S: sabem 'aquele momento' em que sabem o que deviam ter dito e caramba-porque-é-que-não-disse? Pôs a garrafa e o copo sobre a mesa e são €1,50. E AQUI eu dizia: como eu pude esperar 45 minutos pela sidra, a senhora também pode esperar outro tanto pelo dinheiro (ali paga-se no ato da entrega). Mas não disse. E agora, mastigo.

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

...porque outubro é quando quisermos...

mini.JPG

 

Pesquisar

A ler agora

nobody.png

 

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Sigam-me aqui:

Bloglovin.JPG

 

Instagramem-me:

Aqui e agora